As 10 heurísticas de usabilidade do Nielsen

Jakob Nielsen é um cara polêmico no mundo da usabilidade, talvez pelo fato de ser o mais conhecido analista de usabilidade do mundo, ou talvez seja o mais conhecido analista de usabilidade do mundo pelo fato de ser polêmico. O fato é que ele fala de usabilidade há muito tempo, e mais do que falar, ele sempre promove testes e pesquisas para embasar suas falas (para quem costuma ler os rodapés das pesquisas, ele é o dono da Norman e Nielsen Group – uma grande empresa de pesquisas e análises de dados do mundo).

Ele também escreve uma coluna em seu site (Useit.com), chamada Alertbox, onde constantemente apresenta os resultados de várias dessas pesquisas, ajudando a implantar certos parâmetros de usabilidade que passam a ser adotados por um grande número de profissionais.

Um desses parâmetros, são suas heurísticas. São 10 itens para a avaliação da usabilidade de um site, com intuito de evitar erros comuns – as heurísticas foram baseadas em 294 tipos de erros de usabilidade que o Nielsen comumente encontrava em suas análises – e que podem prejudicar e muito a experiência do usuário em seu site. Uma avaliação heurística, ao pé da letra, é feita por no mínimo 3 e no máximo 5 profissionais especializados nesse tipo de avaliação.

Mas mesmo que você não seja nenhum analista de usabilidade, checar esses itens com certeza irá tornar a experiência do usuário em sua interface uma experiência menos frustante. Vamos às heurísticas:

1. Visibilidade de Status do Sistema
Isso significa que você precisa se certificar de que a interface sempre informe ao usuário o que está acontecendo, ou seja, todas as ações precisam de feedback instantâneo para orientá-lo. copy

2.Relacionamento entre a interface do sistema e o mundo real
Ou não usar palavras de sistema, que não fazem sentido pro usuário. Toda a comunicação do sistema precisa ser contextualizada ao usuário, e ser coerente com o chamado modelo mental do usuário.

3. Liberdade e controle do usuário
Facilite as “saídas de emergência” para o usuário, permitindo desfazer ou refazer a ação no sistema e retornar ao ponto anterior, quando estiver perdido ou em situações inesperadas.

4. Consistência
Fale a mesma língua o tempo todo, e nunca identifique uma mesma ação com ícones ou palavras diferentes. Trate coisas similares, da mesma maneira, facilitando a identificação do usuário.

5. Prevenção de erros
Na tradução livre das palavras do próprio Nielsen “Ainda melhor que uma boa mensagem de erro é um design cuidadoso que possa prevenir esses erros”. Por exemplo, ações definitivas, como deleções ou solicitações podem vir acompanhadas de um checkbox ou uma mensagem de confirmação.

6. Reconhecimento ao invés de lembrança
Evite acionar a memória do usuário o tempo inteiro, fazendo com que cada ação precise ser revista mentalmente antes de ser executada. Permita que a interface ofereça ajuda contextual, e informações capazes de orientar as ações do usuário – ou seja – que o sistema dialogue com o usuário.

7. Flexibilidade e eficiência de uso
O sistema precisa ser fácil para usuários leigos, mas flexível o bastante para se tornar ágil à usuários avançados. Essa flexibilidade pode ser conseguida com a permissão de teclas de atalhos, por exemplo. No caso de websites, uso de máscaras e navegação com tab em formulários são outros exemplos.

8. Estética e design minimalista
Evite que os textos e o design fale mais do que o usuário necessita saber. Os “diálogos” do sistema precisam ser simples, diretos e naturais, presentes nos momentos em que são necessários.

9. Ajude os usuários a reconhecer, diagnosticar e sanar erros
As mensagens de erro do sistema devem possuir uma redação simples e clara que ao invés de intimidar o usuário com o erro, indique uma saída construtiva ou possível solução.

10. Ajuda e documentação
Um bom design deveria evitar ao máximo à necessidade de ajuda na utilização do sistema. Ainda assim, um bom conjunto de documentação e ajuda deve ser utilizado para orientar o usuário em caso de dúvida. Deve ser visível, facilmente acessada, e com oferecer uma ferramenta de busca na ajuda.